REGULAÇÃO DA MIDIA,JÁ!

REGULAÇÃO DA MIDIA,JÁ!
PARA ACABAR COM O MONOPÓLIO

quarta-feira, 27 de março de 2013

Reflexões do Perfeito Idiota Brasileiro sobre a candidatura de FHC à ABL


Paulo Nogueira 

A pompa de Fernando vai nos redimir da pobreza de Francisco. 
Ele é o Perfeito Idiota Brasileiro, mas nós o chamamos simplesmente de PIB.
É um cidadão antenado: no trânsito está sempre com a CBN ligada. Quando chega Jabor, aumenta. 

Um patriota. Se não fosse, estava há muito tempo em Hollywood com uma coleção de Oscars. 

PIB gosta de repassar e-mails políticos para os amigos. O último foi uma profecia do general Ernesto Geisel. “Estou iniciando um processo de abertura, mas logo chegará o dia em que vocês terão saudade dos militares.” 

PIB sentia mesmo que os brasileiros cultivavam mesmo uma enorme nostalgia sobre os militares. 

O zé-povinho estava em seu devido lugar. 

Hoje foi um dia feliz para ele. FHC na Academia Brasileira de Letras. PIB aplaudiu de pé, mentalmente, a notícia. 

Leu no site do Globo a informação. Grandes brasileiros estavam na ABL, ou tinham passado por ela. Roberto Marinho, Sarney e ele. Ele é como PIB se refere a Merval, seu guru. 

Um colosso o Merval, pensou PIB: deu o furo da morte de Chávez com mais de um ano de antecedência. 

Nobel, por que não o Nobel de Jornalismo para ele? 

PIB teve depois um pequeno momento de apreensão. FHC teria que enfrentar um conclave, e poderia perder. 

Foi então que ele teve uma ideia genial. FHC poderia combinar com Serra uma jogada. Serra se candidataria também. Mas não de verdade. Apenas para garantir a vitória de FHC. Serra, grande alma, com certeza ficaria feliz de ajudar o amigo. 

Tem algum livro o Serra? 

Deve ter dezenas, pensou PIB. É uma cabeça privilegiada. Mas achou melhor checar. Foi a uma livraria e procurou. O pobre que o atendeu não conhecia nenhuma das grandes obras de Serra. PIB olhou as estantes e não viu nada. 

Deve estar tudo esgotado. Só pode ser. 

Viu uma pilha dos Irmãos Metralhas, de outro guru, Reinaldo Azevedo. Apanhou um exemplar e já ia comprar quando decidiu que podia deixar para a próxima visita à livraria. Não podia se dispersar. Queria a prosa incomparável de Serra. 

Deu um Google, ao chegar em casa, e não encontrou nada. 

Meu plano fracassou? 

Mas, para o valente PIB, cada problema era apenas a véspera de uma solução. E então ele teve uma segunda ideia genial: fazer uma antologia dos tuítes de Serra. 

FHC, em retribuição, poderia assegurar a Serra que sua vaga seria dele, Serra, caso morresse primeiro. Como Serra é meio desconfiado, isso poderia ficar registrado no testamento de FHC. 

PIB sorriu sozinho ao compor a imagem de FHC de fardão. O mundo estava precisando de coisas solenes. PIB estava irritado com o papa Francisco pela ausência de pompa. 

Papa pobre. Ir de classe econômica para o conclave? Andar de ônibus em Buenos Aires? Coisa de pobre. Coisa de argentino. 

A posse de FHC seria uma resposta à pobreza do novo papa. A Globo com certeza já adquirira os direitos de transmissão. Galvão ia narrar. 

Vai que é tua, Fernando! 

E então PIB deu o sorriso cristalino, triunfal, retumbante que só eles, os Perfeitos Idiotas Brasileiros, sabem dar. E depois pensou: “Temos papa”. Em latim soa mais chique, refletiu. 

Habemus papam. 

postado por Blog Sujo 

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Obrigado por respeitar este espaço livre e democrático e por comentar!